RSS

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Adultos: As Obras da Carne e o Fruto do Espírito - Como o crente pode vencer a verdadeira batalha espiritual travada diariamente
Lição 09: Fidelidade, firmes na fé
Professoras e professores, observem estas orientações:
1 – Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 - Agora, trabalhem o conteúdo da lição. Vejam as sugestões abaixo:
- Apresentem o título da lição: Fidelidade, firmes na fé.
- Falem, ainda que vamos estudar sobre a fidelidade como parte do Fruto do Espírito e que a idolatria e a heresia são obras da carne que representam perigo e oposição a firmeza de fé.
- Trabalhem o conteúdo da lição, oportunizando a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
- Para concluir, utilizem a dinâmica “Vida Frutífera”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Atenção! Professores da classe dos novos convertidos:
Vocês encontram sugestões para a revista Discipulando do 1o. ao 4o. ciclo, no marcador "Discipulando".
Para a revista 1 e 2 do Discipulado, vocês encontram  no marcador "Subsídio Pedagógico Discipulado 1" e "Subsídio Pedagógico Discipulado 2", do currículo antigo. Façam bom proveito!

Dinâmica: Árvore Frutífera
Objetivos:
Refletir sobre o cuidado que devemos ter com nossa vida espiritual e moral.
Enfatizar a fidelidade a Deus e a Sua Palavra.

Material:
01 cópia do texto “Plantando Boas Sementes” para cada aluno.
½ folha de papel ofício para cada aluno
Procedimento:
– Leiam o texto “Plantando Boas Sementes”:
            Como principiante no jardim, logo aprendi que um terreno não cultivado era impróprio para a plantação de sementes e para o crescimento. Mas quando plantei boas sementes numa terra bem preparada, o sol e a chuva fizeram a sua parte, até que veio a colheita.
            Um terreno bem preparado, as sementes certas e a bênção de Deus são essenciais para a produção de frutos, não somente num jardim, mas também na vida cristã.
            O profeta de Deus, Oseias, pregou este princípio ao povo de Israel. Eles haviam semeado sementes de maldade e confiavam nos seus próprios caminhos, em vez de confiar em Deus. Então eles comeram os frutos amargos de mentiras, especialmente a mentira de que a sua própria de que sua segurança e sucesso vinham da sua própria força militar(Oseias 10.13).
            Oseias rogou a Israel para seguirem a Deus – deixaram o terreno endurecido dos seus corações e “buscar ao Senhor”. Se eles semeassem justiça, iriam colher a misericórdia do Senhor e Ele faria chover bênçãos sobre eles.
             Está o solo do seu coração resistindo a Deus e à Sua Palavra, em vez de ser receptivo(a)? Está você confiando na sua própria maneira de viver em vez de confiar em Deus? Então é tempo de buscar o Senhor em sincero arrependimento, semear atos e atitudes certas na sua vida e crescer espiritualmente. Acima de tudo, dependa do poder de Deus e não do seu próprio para que sua vida seja frutífera. JonieYoder
Fonte do texto: Nosso Pão Diário.
- Após, a leitura do texto, façam uma reflexão sobre a importância das boas sementes no solo do nosso coração.
– Em seguida, distribuam a metade da folha de papel ofício para cada aluno.
– Orientem para que eles desenhem uma semente (do lado esquerdo) e uma árvore com raízes a mostra( do lado direito).
– Agora, solicitem que eles façam o seguinte:
Ao lado das raízes, o aluno deverá escrever em que ou quem está alicerçado. Está firmado em Deus ou sua fé está cambaleante com poucas raízes? Continua firme ou qualquer vento mais forte quer derrubá-la?
No solo, deverá escrever qual o tipo de solo em que a semente e a árvore estão plantadas. Também como este solo tem sido tratado para que sua vida espiritual frutifique.
Na copa da árvore, deverá desenhar frutos. Que tipo de frutos tem o aluno colhido na sua árvore espiritual. Como tem se apresentado em todas as estações de sua vida?
– Depois, falem: Temos plantando boas sementes em solos bem preparados, receptivos a Palavra de Deus? Não façamos como o povo de Israel, com o solo do coração endurecido, rejeitou Deus, com apostasia, infidelidade a Deus.
– Para finalizar, leiam:
Salmo 1. 1 a 3 “Bem-aventurado o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem seu prazer na lei do Senhor e na sua lei medita de dia e de noite. Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá seu fruto na estação própria e cujas folhas não caem, e tudo quanto fizer prosperará”.
Por Sulamita Macedo.

Texto Pedagógico

A importância do professor da EBD para a Igreja

1 – Escola Bíblica Dominical
A EBD é o departamento mais importante da igreja, pois é a agência de ensino da Palavra de Deus. Concernente a isto, o pastor Antonio Gilberto afirma: “Mal sabia Raikes que estava lançando os fundamentos de uma obra espiritual que atravessaria os séculos e abarcaria o globo, chegando até nós, a ponto de ter hoje dezenas de milhões de alunos e professores, sendo a maior e mais poderosa agência de ensino da Palavra de Deus de que a Igreja dispõe”(pag.115).
A Escola Dominical é o espaço da Igreja no qual as crianças, os adolescentes, os jovens, os adultos, os da Terceira Idade têm oportunidade de aprender a Palavra de Deus.
Estamos vivendo uma época de tempos trabalhosos e o ensino bíblico precisa ser intensificado e realizado de forma criteriosa e com metodologia adequada para que o conhecimento da Palavra não seja sufocado pelos falsos ensinos e os crentes cresçam espiritualmente, permanecendo firmes. Além de promover o crescimento, a Escola Dominical também se destina ao discipulado e aperfeiçoamento.
Para tanto, é importante a observância do livro texto da EBD, a Bíblia, com o objetivo de que o ensino seja pautado nas Sagradas Escrituras. A revista da EBD traz o tema do trimestre organizado em 13 lições, extraídas e embasadas na Bíblia, apresentando o conteúdo de forma sistematizada.

2 - A importância do ministério do ensino para a Igreja
O dom de ensinar foi mencionado pelo apóstolo Paulo: “De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino”(Romanos 12. 6,7 – grifo nosso).
Na carta de Paulo à igreja de Éfeso, há uma menção quanto aos objetivos dos apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e doutores(aqueles que ensinam): “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente”(Efésios 4:11-14 – grifo nosso).
O ensino produz maturidade cristã para os crentes, pois estão alicerçados na Palavra de Deus, sendo, pois, aperfeiçoados e deixando de ser “meninos inconstantes”.
O conteúdo a ser ensinado não deve ser apenas informativo, teórico, mas, sobretudo, um conhecimento que gere modificação no comportamento da vida cristã. Para tanto, é importante que o professor contextualize o assunto da aula com a vida do aluno, sendo assim a aprendizagem será mais significativa.

3 – A importância do professor de EBD para a Igreja
O professor tem papel fundamental no processo de ensino e aprendizagem da Palavra de Deus. É ele que promove o ensino e estimula os sentidos dos alunos para aprender, através de métodos e recursos variados.
O professor deve ser vocacionado para o ensino. Ensinar não é uma tarefa fácil de realizar, mas quando há o chamado, mesmo diante das dificuldades que podem levar o docente a desanimar, ele vai prosseguir.
A importância do papel do professor no ensino é elevadíssima, pois através do que é transmitido é que os alunos vão praticar cotidianamente, tornando uma igreja forte, com membros espiritualmente maduros.
Para que a função docente seja exitosa, é necessário que:
- O professor esteja preparado:
A preparação do professor abrange vários aspectos, a saber: a nível espiritual, teológico, pedagógico e secular. Ter uma vida de oração e comunhão, conhecimento bíblico, informações de como planejar uma aula, com metodologia diversificada e ter conhecimento secular são itens que não podem faltar na vida daquele professor que deseja alcançar a excelência no ensino.
“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”(II Timóteo 2:15).
Enfatizo a importância do preparo pedagógico, para que você possa compartilhar de forma adequada os conhecimentos referentes a cada lição. Escolha métodos de ensino variados, utilize dinâmicas, leia bons livros pedagógicos, planeje a aula, não improvise, dinamize o ensino, procure envolver os alunos com a aula, mantenha vínculos com os alunos.
- O professor entenda que é um facilitador da aprendizagem:
O professor precisa agregar outros recursos ao ensino, buscando a participação do aluno para que haja uma quebra da passividade do ouvinte durante a exposição do tema, tornando-o sujeito ativo do seu conhecimento. Com isto haverá uma mudança de paradigma da aula da EBD – aquela que comumente vemos: o professor falando e os alunos escutando... Para que na verdade isto aconteça, é imprescindível uma tomada de consciência do professor como agente facilitador da aprendizagem.
Agregar recursos variados e métodos diferentes à aula expositiva é uma forma de dinamizar o ensino e proporcionar a participação dos discentes no processo de aprendizagem. De acordo com Altair Germano, no livro Pedagogia Transformadora,  “é preciso ficar mesmo atento para não cair no erro de pensar que por si só os métodos revolucionarão a prática de ensino do professor. Eles são apenas uma parte importante no processo ensino-aprendizagem. Os métodos precisam estar agregados a outros elementos importantes, dentre os quais, um bom conteúdo e a utilização adequada dos recursos didáticos(quadros, cartazes, revistas, mapas, gráficos, objetos etc.)”(pag. 29).
- Haja atuação do Espírito Santo:
Sobre esta temática, Gangel & Hendricks afirmam que: “O professor que trabalha afinado com o Espírito Santo buscará usar as melhores técnicas educacionais e ferramentas disponíveis. Tendo estudado a Palavra de Deus, procurando interpretá-la corretamente sob a direção do Espírito, ele então projeta seu tempo de ensino com o propósito de capacitá-lo a ensinar de modo eficaz. Longe de serem incompatíveis ou contrários ao Espírito Santo, métodos educacionais são meios pelos quais o Espírito trabalha no processo do ensino/aprendizagem”(pag. 43).
Prepare-se e promova aulas criativas, dinâmicas, cativantes e eficazes! Dessa forma, haverá facilitação para o ensino, maior retenção da aprendizagem e participação dos alunos. Estes conhecimentos agregados à sua motivação, com certeza, trarão resultados positivos para o ensino da Palavra de Deus e como consequência a igreja estará fortalecida na graça e no conhecimento de nosso senhor Jesus Cristo.
Por Sulamita Macedo.

SILVA, Antonio Gilberto da. Manual da Escola Dominical. Rio de Janeiro: CPAD, 1997, pag. 115.
GERMANO, Altair. Pedagogia Transformadora. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, pag. 29.
GANGEL, Kenneth O. & HENDRICKS, Howard G. Manual de Ensino para o Educador Cristão. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, pag. 43.


Jovens: A Igreja de Jesus Cristo - Sua Origem, Doutrina, Ordenanças, Missão e Destino Eterno
Lição 09: A Missão Ensinadora da Igreja
Professoras e professores, observem estas orientações:
1 – Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:
- Apresentem o título da lição: A Missão Ensinadora da Igreja.
- Ao trabalhar o conteúdo da lição, vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
- Para concluir, utilizem a dinâmica “Nos Passos do Mestre”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Nos Passos do Mestre
Objetivos:
Refletir sobre a importância da capacitação do professor, aquele que ensina a Palavra de Deus.
Apresentar as características da metodologia do ensino de Jesus.
Material:
01 Bíblia
01 livro de estudo bíblico
01 tablet(se possível)
01 vidro pequeno com azeite
01 jornal atual
01 relógio
01 certificado(01 folha de papel ofício enrolada em forma de canudo com um laço de fita ao redor)
04 figuras de pé esquerdo e 04 de pé direito(vejam no procedimento o que deve ser escrito em cada pé).
Procedimento:
- Leiam: “Deus mesmo chamou alguns para mestres Ef 4. 11.
- Chamem 01 aluno da turma e peça que fique diante da turma.
- Falem: Você foi chamado por Deus para o ministério do ensino bíblico.
- Então, vejamos o que é necessário para que o professor esteja preparado para tão nobre tarefa.
- Entreguem para ele: 01 Bíblia, 01 livro de estudo bíblico, 01 tablet(se possível), 01 vidro pequeno com azeite, 01 jornal atual, 01 relógio, 01 certificado.
Vejamos o que cada objeto pode representar:
01 Bíblia: Conhecimento teológico
01 livro de estudo bíblico: Fonte de pesquisa e estudo
01 Tablet(Internet): Fonte de pesquisa e estudo
01 vidro pequeno com azeite: Unção, oração
01 jornal atual: Informação geral
01 relógio: organização do tempo para estudar e planejar a aula
01 certificado: preparação intelectual e pedagógica
- Depois, coloquem no piso da sala 04 figuras de pé esquerdo e 04 de pé direito, formando um caminho. Cada pé deve conter, na parte virada para o piso, um das 08 características do ensino de Jesus, o Mestre dos mestres:
Jesus usava recursos didáticos variados
O ensino de Jesus transformava vidas
Jesus era exemplo do que ensinava
Jesus adaptava o método à situação
Jesus utilizava linguagem ilustrada e simples
Jesus enfatizava a participação do ouvinte
Jesus estava focalizado nas pessoas
Jesus testava o canal da comunicação
- Falem: Que tal seguir o exemplo do mestre? Então, vejamos.
- Então, peçam para que o aluno vá andando pelo caminho e pegando um pé de cada vez e lendo o que está escrito.
- Depois, falem: Estes são as características da forma de Jesus ensinar.
- Para finalizar, leiam: Romanos 12.7: “... se é ensinar, haja dedicação ao ensino”.
Por Sulamita Macedo.

Texto Pedagógico

Inclusão na Escola Bíblica Dominical

A Educação Inclusiva está fundamentada no direito ao acesso a escola para todos e no respeito às diferenças. O olhar para o aluno com deficiência deve ser de um sujeito capaz de responder as exigências do meio de acordo com as condições que lhe são oferecidas e com a maneira particular que lhe é específica.
            O evangelho anunciado por Jesus era inclusivo. Jesus demonstrou amor pelos portadores de deficiência, curando-os, pregando a salvação e ensinando os valores do reino.  A igreja precisa divulgar o evangelho para todos, incluindo os deficientes, cumprindo o ide de Jesus: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura”(Marcos 16:15 – grifo nosso).

A inclusão de pessoas portadoras de deficiência pode e deve ser praticada nas classes de Escola Dominical.  Que atitudes devem ser observadas para a inclusão do aluno com deficiência na EBD? Observe estes itens:
- Não rejeitar o aluno com deficiência;
- Acolher e integrar o aluno, procurando socializa-lo com os demais colegas;
- Falar para os alunos que nós somos diferentes um dos outros e falar sobre mais uma diferença – a deficiência;
- Não se desesperar ao tomar conhecimento de que há na classe um aluno com deficiência;
- Fala com a família do aluno com deficiência sobre o comportamento dele, como reagir em situações inesperadas e aprendizagem;
- Procurar ajuda com quem já possui experiência nesta área;
- Ler sobre a deficiência do aluno e como ele aprende;
- Não ficar preso ao diagnóstico, a deficiência, ao problema;
- Entender que o aluno com deficiência intelectual aprende de forma diferente, mas aprende;
- Observar como o aluno aprende e fazer as intervenções, adaptando as atividades da aula;
- Organizar o planejamento de aula, com atividades para todos os alunos, inclusive para o portador de necessidade educativa especial.
Atentem agora para as atitudes que não podem ser aceitas por parte do professor, coordenador etc.:
- Rejeitar o aluno;
- Aceitar o aluno e fazer de conta que ele é invisível;
- Deixar que os outros alunos coloquem apelidos ou fazer imitações relacionadas a deficiência;
- Superproteger o aluno com deficiência;
- Não planejar atividades para o tipo de deficiência;
- Falar que o aluno deficiente não aprende, que ele não sabe.
Um aluno com deficiência física aprende como outro aluno sem deficiência, se ele não tiver comprometimento mental. A dificuldade do aluno será certamente a locomoção e a coordenação motora. Para melhor atender ao cadeirante é importante que a acessibilidade esteja adequada, para que não haja barreiras arquitetônicas que dificultem ou impeçam seu acesso às dependências da igreja.
Caso o aluno tenha deficiência intelectual, ele também aprenderá da forma que lhe é possível. Conteúdo abstrato é um fator de dificuldade para quem tem comprometimento cognitivo. O professor deve exemplificar o assunto com situações do cotidiano para favorecer a compreensão.
O aluno com deficiência auditiva se comunica com gestos ou Libras(Língua Brasileira de Sinais) ou  pela leitura labial do interlocutor. Se ele for oralizado, o professor deverá falar de frente para o aluno e articular bem as palavras.
O aluno com deficiência visual total ou parcial requer do professor o cuidado de detalhar o conteúdo e falar o que está contido nos recursos visuais, como mapa, cartaz, filme etc. O ideal seria o uso do Sistema Braille que serve para a escrita e leitura, uma linguagem em código, aceita mundialmente.
Como o professor deve agir, caso deseje exibir um filme e em sua classe há portadores de deficiência auditiva e visual?  O filme requer o uso da visão e da audição, há uma recomendação a ser observada quanto à presença de alunos com necessidades especiais, no caso dos deficientes auditivos(surdos) e dos deficientes visuais(cegos), para que eles sejam incluídos no processo da aula.
Com alunos surdos na sala, o ideal é escolher filmes legendados, se ele for alfabetizado na segunda língua(Português). Se for alfabetizado em Libras(primeira língua), é interessante a presença de um intérprete. Mesmo que o surdo seja oralizado, fazer uso da leitura labial no filme é quase impossível, pois os atores não falam de frente para o ouvinte e de forma pausada.
Com a presença de alunos cegos ou de baixa visão, fazer um resumo oral ou em Braille do que vai ser exibido, detalhando imagens mais importantes de forma que ele entenda.
A igreja além de evangelizar os deficientes, também deve se organizar para discipular aqueles que aceitam a Cristo. A Escola Dominical é o espaço ideal para o ensino da Palavra de Deus, pois o recém-convertido participará de uma classe específica. Os professores devem estar preparados para receber e ensinar os alunos que tenham ou não deficiência. Mãos a obra!

Por Sulamita Macedo.
Pré-adolescentes – Currículo do Ano 1: Quem é Deus
Lição 09: O Que Perdoa
Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:
- Falem que nesta lição, vamos estudar sobre Deus – aquele que perdoa.
- Informem aos alunos que o tema da aula será estudado tendo como exemplo um personagem bíblico por nome Manassés.
- Falem sobre a história de Manassés.
- Em seguida, apresentem os pontos levantados na lição. Ao trabalhar o conteúdo da lição, lembrem-se de que vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
- Para concluir, utilizem a dinâmica “O Lápis, o Apontador e a Borracha”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: O Lápis, o Apontador e a Borracha
Objetivos:
Enfatizar que os nossos atos deixam marcas, boas ou ruins.
Refletir sobre a importância do perdão.
Material:
03 cópias do texto “A História do Lápis”(vejam no procedimento)
01 lápis grafite, 01 apontador e 01 borracha, 01 folha de papel ofício
Procedimento:
1 - Façam a leitura do texto “A História do Lápis” de forma dialogada, para isto escolham 03 pessoas para fazerem o papel da avó, do menino e o narrador. (01 professora pode ser a avó, pois no texto há muitas falas da avó e certamente ficará melhor para ler, dando ênfase e entonação necessária a leitura).
2 – Entreguem uma cópia do texto completo, com as partes da avó e do menino destacadas de cores diferentes, para que eles falem no momento da leitura do texto.
3 - Forneçam uma folha de papel e 01 lápis grafite para a “avó” que deve estar sentada, escrevendo uma carta. O “menino” deve ficar perto da “avó”.
4 – Os “atores” devem realizar as ações do texto.
5 – Agora, depois destes passos organizados, o narrador deve fazer a leitura do texto:
A História do Lápis
“O menino olhava a avó escrevendo uma carta. A certa altura, perguntou: (neste momento avó faz de conta que está escrevendo).
- E por acaso, é uma história sobre mim?
A avó parou a carta, sorriu, e comentou com o neto:
- Estou escrevendo sobre você, é verdade. Entretanto, mais importante do que as palavras, é o lápis que estou usando. Gostaria que você fosse como ele, quando crescesse. (a avó mostra o lápis)
O menino olhou para o lápis, intrigado, e não viu nada de especial.
- Mas ele é igual a todos os lápis que vi em minha vida!
- Tudo depende do modo como você olha as coisas. Há cinco qualidades nele que, se você conseguir mantê-las, será sempre uma pessoa em paz com o mundo.
Primeira qualidade: você pode fazer grandes coisas, mas não deve esquecer nunca que existe uma mão que guia seus passos. Esta mão nós chamamos de Deus, e Ele deve sempre conduzi-lo em direção à Sua vontade.
Segunda qualidade: de vez em quando eu preciso parar o que estou escrevendo, e usar o apontador. Isso faz com que o lápis sofra um pouco, mas no final, ele está mais afiado. Portanto, saiba suportar algumas dores, porque elas o farão ser uma pessoa melhor. (avó pega o apontador e começar a usá-lo)
Terceira qualidade: o lápis sempre permite que usemos uma borracha para apagar aquilo que estava errado. Entenda que corrigir uma coisa que fizemos não é necessariamente algo mau, mas algo importante para nos manter no caminho da justiça. ( avó pega a borracha e apaga algo da carta).
Quarta qualidade: o que realmente importa no lápis não é a madeira ou sua forma exterior, mas o grafite que está dentro. Portanto, sempre cuide daquilo que acontece dentro de você. (avó mostra o grafite do lápis)
Finalmente, a quinta qualidade do lápis: ele sempre deixa uma marca. Da mesma maneira, saiba que tudo que você fizer na vida irá deixar traços, e procure ser consciente de cada ação. (a avó mostra a marca deixada no papel após passar a borracha).
Autoria do texto desconhecida.
6 - Reflitam com os alunos sobre os 05 ensinamentos do lápis, relacionando-os com o tema do perdão.
Uma mão que guia – Deus
Usar o apontador – as dificuldades
Usar a borracha – apagar os erros
O grafite – o que está dentro da gente
As marcas no papel – as consequências dos nossos atos
- Falem: Quando cometemos falhas, podemos usar a “borracha” para consertar os erros, pedindo desculpas, tendo cuidado para não errar novamente. Mesmo apagando com a borracha, pedindo perdão ou perdoando, lembrem-se de que as marcas ficam, pois as situações do passado não podem ser apagadas, sofremos e fazemos outras pessoas sofrerem(o apontador), mas no presente podemos ter atitudes positivas, valorizando o que temos internamente(o grafite), aquilo que aprendemos da Palavra de Deus, dos nosso pais, quanto a nossa conduta e relacionamentos.

Por Sulamita Macedo
Adolescentes – Currículo do Ano 1: Cremos
Lição 09: Na Igreja, a Família Espiritual
Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:
- Falem que nesta lição vamos estudar que cremos na Igreja, a família espiritual.
- Escrevam no quadro ou cartolina, a palavra IGREJA.
 - Falem: O que vocês entendem por “Igreja”.
Aguardem as respostas. Escrevam as respostas no quadro.
A partir das respostas dos alunos, apresentem a diferença entre igreja local e a universal. Também falem sobre o entendimento que se tem sobre igreja como edifício.
- Em seguida, utilizem a dinâmica “Pertenço ao Reino”, que enfatizará a importância de está inserido na Igreja como parte integrante do corpo de Cristo.
- Em seguida, apresentem os pontos levantados na lição. Ao trabalhar o conteúdo da lição, lembrem-se de que vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Pertenço ao Reino
Objetivo: Enfatizar a importância de está inserido na Igreja como parte integrante do corpo de Cristo.
Material:
O1 quebra-cabeças com figura de Igreja
Colem a figura da Igreja numa cartolina, façam o desenho das peças do quebra-cabeça de acordo com o número de alunos da classe e depois recortem cada peça.
Procedimento:
- Distribuam as peças para os alunos(cada aluno deverá receber uma peça).
- Em seguida, peçam para que os alunos montem o quebra-cabeça.
 - Após a montagem, perguntem: O que vemos?
Um quebra-cabeça com uma figura de igreja.
Cada parte desta figura foi colocada por vocês.
- Depois, trabalhem as seguintes ideias:
Você é uma peça do quebra-cabeça, isto nos remete aos membros do corpo de Cristo, a Igreja, que deve estar em unidade, em comunhão para adorar, servir a Deus.
Uma peça do quebra-cabeça ganha importância e valor quando está no conjunto das outras peças, formando um todo, e passa a ter grau de pertencimento ao todo.
Reforcem a importância do jovem estar reunido numa igreja local, para receber o ensino da Palavra de Deus, fortalecer os relacionamentos, comunhão com o Senhor.
- Agora, enfatizem a importância de está inserido na Igreja como parte integrante do corpo de Cristo e participar das atividades do reino, cumprindo a missão evangelizadora e social.

Por Sulamita Macedo.
Juvenis – Currículo do Ano 3: Conselhos sociais e espirituais dos profetas menores
Lição 09: Habacuque – as Queixas de um Profeta
Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, trabalhem o conteúdo da lição. Vejam as sugestões abaixo:
- Apresentem o título da lição: Habacuque – as Queixas de um Profeta.
- Trabalhem o conteúdo da lição, oportunizando a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
- Para concluir, utilizem a dinâmica “Não deixe a bola cair”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Não deixe a bola cair
Objetivos:
Promover integração do grupo
Exercitar a oração
Material:
01 bexiga( balão de aniversário)
¼ da folha de papel ofício
01 caneta para cada aluno
Procedimento:
- Entreguem 01 bexiga vazia e ¼ da folha de papel ofício para cada aluno.
- Peçam para que eles escrevam um pedido de oração no papel fornecido por vocês e coloquem-no dentro da bexiga e encham a bola. Não se esqueçam de pedir para que os alunos identifiquem-se tanto no pedido de oração como também na bola.
- Solicitem que fiquem em círculo e oriente-os para que joguem as bolas para cima, não deixando que caiam, durante aproximadamente 1 minuto.
- Ao término do tempo estabelecido, orientem para que cada aluno pegue uma bola que não seja a sua e jogue-a para cima, não deixando que caia, durante 1 minuto(no máximo).
- Perguntem: O que
Quando terminar esse tempo, falem que este momento representa o esforço e a persistência que devemos ter quanto intercedemos por alguém.
- Agora, cada aluno deverá estar com uma bola, que não é a sua, e deverá estourá-la, pegar o pedido do colega e orar por ele durante a semana.
- Finalizem, lendo:
“...Orai uns pelos outros... a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos”. Tg 5.16
Por Sulamita Macedo.